Serviços / Bainhas metálicas para protensão

BAINHAS METÁLICAS

ABNT NBR 14931:2004

Na escolha da bainha devem ser levados em consideração os processos de montagem que são utilizados para a armadura de protensão, assim como as condições ambientais a que estão submetidas as obras.

A bainha deve garantir, temporária ou permanentemente, a movimentação do cabo no seu interior.

As bainhas devem ter diâmetro interno pelo menos medindo 10 mm (admitindo-se 6 mm para bainhas chatas) a mais do que o diâmetro do respectivo cabo e área interna de sua seção transversal igual a no mínimo 2,5 vezes a área da seção transversal dos aços de protensão.

Para cabos verticais e para o caso de se adotar o princípio da cablagem pós-enfiada (concretagem da peça estrutural com as bainhas vazias) esses valores devem ser aumentados.

No caso de barra, o diâmetro interno da bainha deve medir pelo menos 6 mm a mais que o diâmetro da barra.

Para evitar que os aços de protensão permaneçam no interior das bainhas por período muito prolongado até a operação de protensão, deve ser adotado, sempre que possível, o critério de pós-enfiação da cablagem.

As bainhas devem ser suficientemente resistentes para suportar os pesos dos respectivos cabos e garantir sua fixação e posicionamento.

As bainhas metálicas devem ter espessura de parede mínima de 0,3 mm, desde que seu diâmetro interno não ultrapasse 90 mm.

Nos casos de bainha com diâmetro interno maior que 90 mm e cabos pós-enfiados, a espessura mínima da parede deve ser de 0,35 mm.

Dependendo da capacidade do cabo e das condições de lançamento e adensamento do concreto, os valores estabelecidos para a espessura das bainhas devem ser aumentados.

Se a distância entre bainhas, no ponto de seu cruzamento, for menor que 25 mm, recomenda-se que sejam tomadas precauções para evitar que haja comunicação de calda entre as bainhas.

As emendas entre bainhas e suas ligações com as ancoragens devem ser asseguradas por meio de luvas externas feitas com o mesmo material da bainha e diâmetro ligeiramente maior, e com emprego adicional de material de vedação tipo termorretrátil, massa epóxica, fita adesiva ou solda.

Os materiais utilizados para confecção das bainhas e para sua vedação não podem causar ataque químico ou de origem eletrolítica às armaduras.

A bainha deve ser estocada convenientemente.

O espaçamento dos suportes deve ser suficiente para resistir às cargas durante a montagem da bainha e do cabo, concretagem da peça e impedir deslocamento.

Sob cada emenda deve ser colocado suporte para evitar danos a ela.

PROTENFOR
(44) 3224-9526
[email protected]
Rua Princesa Isabel, 373 - Zona 4 -
CEP: 87014-090
Maringá / PR
© 2017 PROTENFOR - Todos os direitos reservados